Champion Spotlight: Conheça Gaby Zamudio


Ela é uma desenvolvedora bilíngüe de interface e profissional de ping pong que é apaixonada pelo uso da tecnologia para o bem.

Conheça Gaby Zamudio, uma desenvolvedora bilíngüe especializada em UI e uma pessoa positiva, que está sempre em busca de oportunidades para usar suas habilidades tecnológicas para apoiar as organizações sem fins lucrativos locais. Gaby é a Co-Fundadora de Meraki CriativoUma comunidade para mulheres empreendedoras e uma antiga desenvolvedora da Thoughtworks. Desde 2016, ela é membro do Technology Advisory Council (TAC) da MAF, um grupo de profissionais das principais empresas de tecnologia da Bay Area que fornecem liderança, aconselhamento e assessoria para ajudar a MAF a usar a tecnologia para melhor atender às necessidades financeiras dos consumidores de baixa renda.

Tivemos a oportunidade de sentar com Gaby e aprender mais sobre o que a leva a apoiar a MAF.

MAF: Fale-nos sobre você. Passatempos, interesses, paixões?

GZ: Sou treinado como desenvolvedor e designer de IU e adoro encontrar maneiras criativas de exibir dados e informações. Recentemente tive a oportunidade de servir como assistente de instrução em um curso de desenvolvimento de front-end na Assembléia Geral aqui em São Francisco.

Um fato engraçado que a maioria das pessoas não sabe sobre mim é que eu joguei tênis de mesa (também conhecido como ping pong) ao crescer, e tive a chance de representar minha região em competições. Normalmente eu era a única mulher a participar, o que me preparou para a indústria tecnológica, onde muitas vezes tenho uma experiência semelhante.

MAF: Que questões o estimulam a agir?

GZ: Primeiro, a justiça social sempre foi importante para mim. Fui criado durante um período de conflito interno no Peru, quando havia dois poderosos partidos terroristas, por isso foi um momento perigoso. Muitas pessoas desapareceram. Minha mãe trabalhava para uma organização de direitos humanos e meu pai era sociólogo e ativista. Minha mãe investiu muito em seu trabalho. Quando criança, lembro-me de desejar poder vê-la mais, e depois abrir meu coração para perceber que talvez outras pessoas precisassem mais da minha mãe do que eu. Eu me senti em conflito porque, ao contrário de muitos outros, eu tinha comida e um lugar seguro para dormir. Mas eu poderia tão facilmente ter estado na posição deles. Esta experiência moldou meu compromisso de criar um mundo mais justo social e economicamente.

Em segundo lugar, eu me preocupo profundamente com os direitos dos imigrantes. Aos 19 anos de idade mudei-me para os Estados Unidos vindo do Peru sozinho, para poder me relacionar com a experiência dos imigrantes neste país.

Finalmente, sou apaixonado pelo meio ambiente. Crescendo em uma cidade mineira, tenho visto como estas indústrias contaminam nossas comunidades. Se não protegermos nosso meio ambiente, não conseguiremos avançar em outras questões como justiça social e educação.

MAF: O que o levou a querer se envolver com o MAF?

GZ: Ouvi falar pela primeira vez do MAF através de um amigo que tinha participado de um Círculo de Empréstimos, e imediatamente reconheci a prática. No Peru, muitas pessoas participam de panderos para economizar dinheiro para grandes compras, ao mesmo tempo em que prestam contas a um grupo. Eu adoro como a MAF conecta a prática de poupar em um grupo com a construção de crédito e educação financeira.

Quando me mudei para os Estados Unidos sozinho, o sistema financeiro aqui era completamente novo para mim. Eu não sabia o que era crédito.

Quando eu comecei a faculdade, era confuso navegar no processo de empréstimo estudantil. Eu poderia facilmente ter contraído mais empréstimos do que precisava e ter me metido em um buraco do qual não conseguia sair. Felizmente, isso não aconteceu. Mas minha experiência me ensinou que todos - não apenas os imigrantes - podem se beneficiar de mais informações e ferramentas para navegar no sistema financeiro.

Alguns anos após o primeiro aprendizado da MAF, um amigo sugeriu que eu analisasse o novo Conselho Consultivo de Tecnologia (TAC) da MAF. As empresas sem fins lucrativos normalmente não têm os mesmos recursos para a tecnologia que as empresas com fins lucrativos têm, e tenho a honra de usar minha experiência técnica para aumentar a capacidade tecnológica da MAF e ajudar a criar um impacto maior.

MAF: Por que você investe seu tempo e suas habilidades no trabalho que fazemos juntos?

GZ: Para mim, trata-se de capacitar as pessoas. Na primeira reunião da TAC, tive a oportunidade de conhecer Luis, que agora é dono do D'maize, um restaurante salvadorenho em São Francisco. Um empréstimo da MAF permitiu que ele e sua esposa construíssem notas de crédito e depois tivessem acesso a empréstimos maiores para expandir seus negócios. Eles eventualmente contrataram pessoal de sua comunidade, e agora eles retribuem doando catering para os eventos de seu filho.

Eu espero ser um granito de arena (grão de areia) que suporta este incrível efeito de ondulação.

MAF: O que você espera de nosso trabalho em conjunto nos próximos meses?

GZ: Estou ansioso para apoiar o desenvolvimento do aplicativo Lending Circles e ver a versão final quando ele estiver pronto. Sinto orgulho de ter ajudado a moldar o projeto deste aplicativo único. Espero que a equipe da MAF se sinta igualmente orgulhosa! Também estou entusiasmado em refletir sobre o que aprendemos com este processo à medida que avançamos com mais produtos de tecnologia.

O FUNDO DE ATIVO DA MISSÃO É UMA ORGANIZAÇÃO 501C3

Copyright © 2021 Mission Asset Fund. Todos os direitos reservados.

Portuguese