Desigualdade na riqueza e novos americanos


A lacuna da riqueza racial é real e está crescendo. Mas onde os imigrantes se encaixam nesta análise?

Este posto apareceu pela primeira vez no Blog do Instituto Aspen. Foi escrito pelo CEO da MAF José A. Quiñonez em preparação para um painel sobre a Lacuna da Riqueza Racial no Aspen Institute's 2017 Cúpula sobre Desigualdade e Oportunidade

Eis o que sabemos hoje sobre a desigualdade de riqueza na América: É real, é enorme, e está crescendo. A menos que haja uma mudança substancial de política, levaria 228 anos para que os lares negros alcancem a riqueza dos lares brancos, e 84 anos para que os latinos façam o mesmo. Isto é importante porque a riqueza é uma rede de segurança. Sem essa almofada, muitas famílias vivem apenas um emprego perdido, doença ou divórcio longe da ruína financeira.

Aqui está outra coisa que sabemos: Ao contrário da opinião popular, a desigualdade de riqueza entre grupos raciais não surgiu porque um grupo de pessoas não trabalhou o suficiente, ou não economizou o suficiente, ou não tomou as decisões de investimento mais inteligentes do que o outro.

Como surgiu, então? A resposta curta: a história. Séculos de escravidão e as amargas décadas de segregação legal lançaram as bases. Leis e políticas discriminatórias contra pessoas de cor pioraram as coisas. O Projeto de Lei G.I. de 1944Por exemplo, ajudou as famílias brancas a comprar casas, freqüentar a faculdade e acumular riqueza. As pessoas de cor foram em grande parte excluídas dessas oportunidades de construção de ativos.

A divisão atual da riqueza racial é o legado financeiro da longa história de racismo institucionalizado de nosso país.

O fator tempo é, de certa forma, fundamental para estas descobertas. Sociólogoseconomistase jornalistas Todos eles ressaltam como a lacuna da riqueza racial foi criada e exacerbada ao longo do tempo. Mas quando se trata da questão dos novos americanos - milhões de nós que aderiram a esta nação nas últimas décadas - muitas vezes ficamos encobertos nas conversas sobre a brecha de riqueza racial.

As estratégias criativas de sobrevivência dos imigrantes e os ricos recursos culturais e sociais poderiam ajudar a informar melhor as intervenções políticas.

Os relatórios geralmente ilustram a diferença de riqueza racial colocando, compreensivelmente, a riqueza média dos diferentes grupos raciais lado a lado e observando o abismo que os divide. Por exemploem 2012, a média de $13 em riqueza para cada dólar de propriedade das famílias negras, e $10 em riqueza para cada dólar de propriedade das famílias latinx. Esta história é importante. Não há como negar isso. Mas o que podemos aprender ao investigar a desigualdade de riqueza com mais atenção à imigração?

Um relatório do Centro de Pesquisa Pew dividiu a população adulta em 2012 em três coortes: primeira geração (nascida no exterior), segunda geração (nascida nos EUA com pelo menos um progenitor imigrante), e terceira e última geração (dois progenitores nascidos nos EUA).

Grupos raciais claramente diferentes têm histórias americanas muito diferentes.

A grande maioria dos latinxs e asiáticos são novos americanos. Setenta por cento dos adultos latinx e 93% dos adultos asiáticos são americanos de primeira ou segunda geração. Em contraste, apenas 11% dos adultos brancos e 14% dos negros estão na mesma coorte geracional.

Em comparação, estes últimos grupos estão nos Estados Unidos há muito mais tempo. E dada sua permanência relativamente comparável nos EUA, faz sentido colocar seus dados lado a lado.

Mas comparar a riqueza dos latinxs - metade dos quais são americanos de primeira geração - com a das famílias brancas, 89 por cento das quais estão nos EUA há muitas gerações, parece levantar mais perguntas do que responde.

Em vez disso, poderíamos acrescentar nuance e contexto à nossa análise medindo as diferenças de riqueza entre grupos raciais dentro de coortes geracionais; ou comparando membros de diferentes grupos que compartilham características demográficas chave; ou ainda melhor, medindo o impacto financeiro de intervenções políticas dentro de grupos específicos.

Por exemplo, poderíamos investigar as trajetórias financeiras dos jovens imigrantes após terem recebido a Ação Diferida para Chegar à Infância (DACA) em 2012. Será que eles melhoraram sua renda, construíram suas economias, ou mesmo adquiriram ativos apreciáveis, em comparação com seus pares?

Poderíamos retroceder no tempo e explorar o que aconteceu com a geração de imigrantes a quem foi concedida anistia sob a Lei de Reforma e Controle de Imigração de 1986 (IRCA). O que o surgimento das sombras significou para seus bens e riqueza? Como se compara sua riqueza com a daqueles que permaneceram indocumentados?

Estas comparações contextuais podem nos dar espaço não apenas para quantificar o que falta na vida das pessoas, mas também para descobrir o que funciona.

Suas estratégias criativas de sobrevivência e seus ricos recursos culturais e sociais poderiam ajudar a informar melhor as intervenções políticas e o desenvolvimento de programas. Trazer a história dos novos americanos para nossas conversas sobre a desigualdade de riqueza aprofundará nossa compreensão dessas disparidades e das formas distintas que elas assumem para diferentes grupos. É isso que precisamos para desenvolver as políticas ousadas e os programas inovadores necessários para reduzir a grande divisão da riqueza racial que enfrentamos hoje.

O FUNDO DE ATIVO DA MISSÃO É UMA ORGANIZAÇÃO 501C3

Copyright © 2021 Mission Asset Fund. Todos os direitos reservados.

Portuguese