O ESPOR do momento


A MAF explora a conexão entre o planejamento urbano e o acesso financeiro.

É meio da tarde em um dia excepcionalmente quente de verão em São Francisco, quando as pessoas começam a se registrar em uma sala cheia de sol nos escritórios da SPUR em Mission e 2nd Street, esperando para ouvir sobre a criação de um novo caminho para o empoderamento financeiro. Ao contrário dos grupos usuais de pessoas (bancos, empresas de tecnologia, empresas sem fins lucrativos, construtores de ativos) que normalmente vêm para ouvir José falar sobre MAF, todas as pessoas nesta sala são planejadores urbanos.

Estas são as pessoas que trabalham para tornar as ruas da cidade navegáveis, os edifícios impressionantes e discretos, os parques verdes e convidativos, e o tráfego fluindo sem problemas. Então, por que os planejadores urbanos - pessoas interessadas nos aspectos tangíveis do planejamento urbano - estariam interessados no empoderamento financeiro? Simplificando, uma cidade forte e vibrante precisa de uma base economicamente fortalecida.

Uma cidade é como um organismo vivo; quando seus habitantes se fortalecem, a cidade inteira se fortalece.

José começou falando sobre a importância do empoderamento econômico para a criação de um ambiente urbano sustentável. Não é um argumento de que falamos com freqüência, porque normalmente estamos em um tipo de multidão diferente. Portanto, não tínhamos certeza absoluta de como isso iria acontecer, mas para nossa surpresa, a multidão estava de pleno acordo.

Aproveitamos esta oportunidade para aprofundar o significado do empoderamento financeiro e seus impactos imediatos sobre as comunidades e cidades. Falamos de abordagens inovadoras para criar comunidades financeiramente fortalecidas que não precisam mais recorrer à subsistência de empréstimos no dia do pagamento e outras dívidas de alto custo.

Um dos membros da SPUR perguntou: "Eu adoraria ver um esforço feito para que as cooperativas de crédito se sentissem mais acessíveis... emulando as lojas Check Cashing". José respondeu: "Enquanto na superfície isso pode parecer uma idéia construtiva, para criar um espaço familiar para os indivíduos". Emular emprestadores de dia de pagamento encorajaria e reforçaria o ciclo da dívida, bem como os padrões de subsistência dos quais estamos tentando afastar as pessoas".

Ao emular um financiador de dia de pagamento, não estamos modelando comportamentos financeiros positivos. Queremos mudar as pessoas desses grupos para serviços financeiros de baixo custo.

Foi neste ponto que a multidão entendeu plenamente o que era o MAF. Quando encontramos pessoas onde elas estão, reconhecemos a aptidão financeira de nossos membros, assim como a forma como eles navegam nos pontos de dor financeira de suas vidas.

Vemos a savviness financeira que eles desenvolveram e a usamos para transformá-los. Para nós, o objetivo não é nem a subsistência nem a substituição. Não queremos substituir um sistema quebrado por outro sistema. Queremos mudar nossos membros para um padrão funcional e formalizado de economia, investimento e construção de crédito.

O planejamento econômico vai de mãos dadas com a estabilidade financeira de uma cidade inteira. Isso é tão importante quanto criar ciclovias suficientemente largas ou prédios que estejam de acordo com o código. Trata-se de ter uma visão mais longa da sustentabilidade de uma cidade, de sua cultura e da qualidade de vida de todos. O planejamento urbano não termina com a calçada; ele começa com as pessoas que usam essa calçada.

O FUNDO DE ATIVO DA MISSÃO É UMA ORGANIZAÇÃO 501C3

Copyright © 2020 Mission Asset Fund. Todos os direitos reservados.

Portuguese